Teoria, Prática e Shinji Mikami

02/08/2012 by: thiago

Teoria, Prática e Shinji Mikami –  Thiago Mittermayer

Quando estamos estudando algum determinado assunto, seja no contexto acadêmico ou por livre espontânea vontade, é normal recorrermos aos intelectuais, teóricos que pesquisam e escrevem de uma forma mais conceitual sobre o tema abordado. Ou então, procuramos pessoas que se tornaram importantes dentro daquele cenário na prática, analisando através de um olhar pragmático seus trabalhos. Em um exemplo simplista: Se estivermos interessados em estudar arte do lado dos ‘experts’ temos o filósofo Heinrich Wölfflin com seu livro “Conceitos Fundamentais da História da Arte”, e do lado dos ‘profisa’ temos o pintor Vincent van Gogh e sua obra “A Noite Estrelada”.

Sempre temos a teoria e a prática, os teóricos e os práticos nas mais diversas ciências. O teórico é o disseminador da teoria para o público, o promovente da discussão, ele pretende ter definições, categorias e princípios sobre a ciência, ele é: o filósofo, o pesquisador e o professor, entre outros. Já o prático é aquele que se foca na ação, na realização e no desenvolvimento de qualquer ideia ou projeto, por exemplo no universo gamer: o game designer, o programador, o level designer, o artista, dentre outros.

É claro que a prática e a teoria se misturam, muitas vezes os teóricos pesquisam o que os práticos executaram, são raras as exceções em que o teórico e o prático são a mesma pessoa e ainda mais difícil que este consiga ter um alto nível em ambas as funções.

No campo da arte pesquisadores estudam detalhadamente as vanguardas, as obras de artistas, como, Da Vinci, Pablo Picasso, Marcel Duchamp, e o que estas obras afetaram a história, a linguagem e até a própria definição do “O que é arte?”. Igualmente no cinema na qual teóricos do cinema analisaram os filmes de D. W. Griffith, Eisenstein e Jean-Luc Godard e elevaram linguagens e estilos que contribuíram tanto para a educação de novos estudantes quanto para o discurso dos cineastas já consagrados e assim apoiando até o desenvolvimento do próprio cinema em si.

Mas nos games os pontos são diferentes, o que este post vem problematizar é a lacuna existente dentro da área de pesquisa de  games para o estudo das obras dos práticos, os jogos dos game designers, no intuito de fomentar novos profissionais e aumentar o desenvolvimento da área.

Vejamos os games designers  Shigeru Miyamoto e Shinji Mikami são figuras essenciais na formação de novos profissionais e para a criação de novos jogos. A qualidade de ambos é inquestionável, são duas lendas vivas. Tanto Miyamoto e Mikami tiveram grande sucesso no final da década de 80 e começo da de 90, Miyamoto é o criador das séries: Dokey Kong, Mario, Zelda, e Mikami é o game designer dos jogos: Who Framed Roger Rabbit?, Goof Troop, e das séries Resident Evil, e  Dino Crisis, há muitos conceitos a serem descobertos nos games deles.

Profile de Shinji Mikami

Para nós que queremos trabalhar com games é importante que teóricos, analisem estes game designers, para termos um senso crítico no momento da criação dos nossos próprios jogos. Por exemplo o game Goof Troop (1994) do Mikami apresenta:

  • Excelente jogabilidade para dois players, ambos tem jogar de forma colaborativa para alcançar os objetivos e seguir no game;
  • Elevados levels designs e
  • Sofisticados puzzles para a época.

Screenshot de Goof Troop.

Para os mais interessados ver este vídeo com o gameplay da fase final do jogo.

Há até algumas semelhanças de Goof Troop com Resident Evil, obra prima e mais original do japonês Mikami, como: limite de quantidade de itens carregadas pelo jogador, enigmas que tem que serem resolvidos para o andamento do jogo, e alto senso de localização.

Não seria interessante analisar jogos de games designers? E verificar no que os jogos contribuíram para o desenvolvimento de jogos digitais? Que tal tentar estabelecer uma linguagem, estilos e movimentos?

Claro que seria uma tarefa árdua para apenas um pesquisador analisar os jogos de um game designer, basta ver a complexidade que envolve um game, as diversificadas áreas para a sua concepção, e pela quantidade de jogos que um game designer têm, Mikami já trabalhou em mais de 30 games, mas nada que uma seletiva dos melhores jogos, um bom prazo e um excelente grupo de pesquisa não consiga fazer.

Thiago Mittermayer – Graduando de Tecnologia e Mídias Digitais na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Pesquisa sobre Construções Intersubjetivas nas Redes Sociais da Internet em sua Iniciação Científica junto ao CNPq tendo como orientadora a Professora Doutora  Lucia Santaella. Participa nos grupos de pesquisa CS:Games, Sociotramas, Mundo em rede, todos do Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital (TIDD) da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Atua e pesquisa assuntos relacionado às Tecnologias e Mídias Digitais, principalmente redes sociais, games, cinema de animação. Co-responsável pelo blog e pelas redes sociais do grupo.

Leave a Reply