Modelos ER e Planilhas de Cálculo

Autor: Ítalo S. Vega
Email: italo@pucsp.br
Revisão: r1.00
Data: 06/12/2013 03:48:18 PM
Direitos de cópia:
Documento de domínio público.

Para ilustrar o propósito de elaboração de um modelo entidade-relacionamento [1] (MER), bem como o uso dos seus principais elementos, resolvi utilizar um vídeo [2] a respeito do uso de planilhas de cálculo.

[1] http://en.wikipedia.org/wiki/Entity%E2%80%93relationship_model
[2] https://www.youtube.com/watch?v=TohR_xBjdto

O vídeo se propõe a apresentar o conceito de planilha eletrônica, com ênfase em células numéricas e calculadas. Neste ensaio, investigaremos um MER para o cálculo exemplificado naquele tutorial.

1. Situação de Modelagem

Uma das imagens do vídeo se refere ao momento do cálculo de um pagamento de uma compra de algumas camisas. O CONTROLE DE ESTOQUE da figura abaixo expõe a venda de 15 unidades do PRODUTO do tipo CAMISA a um preço unitário de $25.

planilha-1-produtos

Do ponto de vista de modelagem com entidades e relacionamentos, como poderíamos perceber esta planilha até o momento ilustrado pela figura?

2. Atributos Simples e Derivado

Os estudantes analisaram a planilha e, de imediato, vários deles modelaram VR UNIT como um atributo vr unit simples e monovalorado de um tipo de entidade Produto. O modelo pode ser visto no diagrama entidade-relacionamento [3] (DER) da figura a seguir. Um pensamento semelhante foi aplicado para a identificação do atributo qtd, também simples e monovalorado.

[3] Foram omitidos os respectivos domínios dos atributos. Neste caso, quais seriam tais domínios?
er-01
Em seguida, uma célula com valor calculado a partir de uma fórmula foi apresentada no vídeo. A figura abaixo captura uma imagem deste trecho, que também revela a fórmula “=B3*C3” da planilha. O VLR CAIXA se calcula pelo produto dos valores associados às células numéricas situadas abaixo das células VR UNIT e QTD; ou seja, podemos inferir que

VR CAIXA = VR UNIT * QTD

planilha-2-produtos

Portanto, a compra de 25 camisas, cada uma delas custando $15, resulta no valor de $375 a ser recebido no caixa. Esta parte do vídeo foi registrada na imagem:

planilha-3-produtos

Neste caso, os estudantes modelaram a célula que define VR CAIXA como um atributo derivado. Assim, o modelo ER se altera com o acréscimo do atributo vr caixa:

er-02

Até aqui, eu não havia chamado a atenção dos estudantes a respeito da possibilidade de se modelar PRODUTO também como um atributo! Afinal de contas, se VR UNIT e QTD foram “naturalmente” modelados como atributos, porque PRODUTO também não o seria? Quais as consequências de um novo modelo desta planilha em que PRODUTO foi percebido como um atributo de valor CAMISA?

3. Entidades e Atributos

Ao interpretarmos a célula PRODUTO como um atributo de um tipo de entidade, o modelo se altera como ilustrado no DER abaixo. Além dos atributos vr unit, qtd e vr caixa, também teríamos o atributo simples e monovalorado de nome produto.

er-03

Entretanto, surge uma nova questão: qual seria o tipo de entidade com tais atributos? E mais: seguindo esta linha de interpretação, CONTROLE DE ESTOQUE não deveria ser percebido como um atributo composto?

4. Entidades e Relacionamentos

A revisão do modelo com todas estas considerações nos conduz ao diagrama que expõe novos tipos de entidades. Entidades do tipo Produto são caracterizadas por um tipo e por um vr unit. Poderemos relacionar ocorrências deste tipo de entidade com diversas vendas, percebidas como ocorrências do tipo Venda. Cada venda se caracteriza por uma certa quantidade comprada, a partir da qual calculariamos o valor a ser pago no caixa.

er-04

Este modelo, por exemplo, suportaria um caso de uso [4] de recebimentos em um ponto de vendas (PDV). O diagrama da contexto:dcu-01 ilustra o modelo com destaque para o Caixa e a Recepção de Pagamento no contexto do subsistema de vendas. O fluxo básico seria do caso de uso seria:

CDU Recepção de Pagamento: fluxo básico

  1. Caixa indica o tipo do produto em venda
  2. Caixa informa a qtd vendida
  3. Subsistema de vendas mostra o vr unit
  4. Subsistema de vendas mostra o vr caixa
[4] Modelos de casos de uso (CDU) são convenientes para lidar com interações entre atores e processos de negócio.

dcu-01

Nota: E como modelaríamos o conceito CONTROLE DE ESTOQUE citado na planilha inicial? Como um atributo composto? Um novo tipo de entidade?

5. Conclusão

Partimos de um exemplo que ilustra o funcionamento de uma planilha em uma situação que envolve células numéricas combinadas com uma célula de cálculo. É comum percebermos como atributos em um MER, as células contendo legendas. Fizemos isso com VR UNIT, QTD e VR CAIXA, mostrados na seção Atributos Simples e Derivado.

Entretanto, esta linha de pensamento leva a uma interessante possibilidade quando nos deparamos com a célula PRODUTO. Ao invés de interpretá-la como um atributo produto, podemos percebê-la como um atributo tipo de uma entidade Produto. É esta abordagem que origina um outro modelo que expõe a presença de entidades Venda, caracterizadas por um atributo simples e monovalorado qtd e um atributo derivado e monovalorado vr caixa, como mostrado na seção Entidades e Relacionamentos. Tal revisão suporta o registro de afirmações de vendas em um PDV, como ilustrado no diagrama de casos de uso daquela Seção.

 

Tagged with:
 

Deixe uma resposta

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.